Home / Acidente / Princípio de incêndio atinge Câmara dos Deputados e interdita plenário

Princípio de incêndio atinge Câmara dos Deputados e interdita plenário

Curto-circuito em luminária derrubou fragmentos incandescentes sobre poltronas

Quatro poltronas foram atingidas por fogo – Divulgação

Um princípio de incêndio atingiu o plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília, na manhã desta quinta-feira. O fogo danificou poltronas dos parlamentares e espalhou uma espessa fumaça branca pelo local. Um plantonista do Departamento Técnico da Casa identificou as chamas e acionou a Brigada, que apagou o fogo em menos de cinco minutos.

Segundo a assessoria da Casa, o Corpo de Bombeiros constatou que houve um curto-circuito em uma das luminárias do teto do plenário. As poltronas foram atingidas por fragmentos incandescentes — quatro delas ficaram queimadas. Não há relatos de feridos na ocorrência.

O plenário foi isolado e será palco de nova perícia na tarde desta quinta-feira, organizada pela Polícia Civil do Distrito Federal. No momento do fogo, não havia deputados no plenário, que passa por manutenção durante o recesso parlamentar. A atividade legislativa será retomada em fevereiro.

Leia a nota da Câmara dos Deputados na íntegra:

Por volta das 6h30 da manhã desta quinta-feira, foi verificado um princípio de incêndio no Plenário da Câmara dos Deputados, identificado rapidamente pelo plantonista do Departamento Técnico da Casa. Ele acionou o plantão da Brigada de Incêndio da Câmara e o fogo foi debelado em menos de cinco minutos.

O Corpo de Bombeiros do DF realizou uma perícia ainda no início da manhã e constatou que houve um curto-circuito em uma das luminárias do teto do Plenário. Fragmentos incandescentes caíram sobre as poltronas, provocando o fogo em quatro delas.

O local foi isolado e, nesta tarde, a Polícia Civil do Distrito Federal fará uma nova perícia, seguindo procedimento de praxe.

 

Veja Também

Ilhéus: adolescente é estuprada por jovens ao pedir ajuda

Uma adolescente de 15 anos afirma ter sido vítima de um estupro coletivo no município ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *