Home / DESTAQUE / Itapuã lidera as reclamações por poluição sonora nos primeiros 15 dias de 2018

Itapuã lidera as reclamações por poluição sonora nos primeiros 15 dias de 2018

Música alta vira atrativo para clientes na praia - Foto: Raul Spinassé | Ag. A TARDE
Música alta vira atrativo para clientes na praia

Passar uma tarde em Itapuã nem sempre é sinônimo de ouvir apenas o mar de Itapuã, quando chega a temporada de alta estação. O bairro é o líder em reclamações registradas na prefeitura este ano, no intervalo de 1º a 15 de janeiro, por causa da poluição sonora.

Os dados fornecidos pela Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop) apontam para 70 denúncias de populares incomodados com o barulho, somente nos primeiros 15 dias de 2018, no bairro outrora cantando em verso, prosa e poesia pelo poeta Vinícius de Moraes.

Logo em seguida, completam a lista das regiões com maior número de denúncias na Semop a Boca do Rio (60 reclamações), Brotas (57 registros), Cajazeiras (53 queixas), Fazenda Grande do Retiro (41 ocorrências) e o bairro de Paripe, no subúrbio, com 40 comunicações.

Quando os dados se estendem para toda a capital baiana, na primeira quinzena, as principais fontes emissoras de som foram os veículos particulares (707 registros), residências (430) e estabelecimentos comerciais, como bares, restaurantes e boates (249 queixas).

Por mais sossego

Verão, férias, praia, festas, ensaios, shows, carros com sistema de som do tipo “paredão” e caixas de som portáteis são uma combinação infernal para uma parte da população, a exemplo da professora aposentada Romilda Carvalho, 63 anos, que mora na região do Abaeté.

Instalada no local há 40 anos, a senhora diz amar a tranquilidade da área no entorno da lagoa, mas frisa que a paz dura somente nos dias de semana. “De sexta-feira em diante, ninguém tem mais sossego por causa desses sons de carro que inventaram, o tal paredão”, ela brada.

De sexta em diante, a gente não tem mais sossego por causa desse tal paredão

Romilda Carvalho,aposentada

Não tão longe dali, a rua da Música, mais conhecida como rua K, também era ponto certo de quem queria levantar a mala do carro quase à beira da praia, até que a comunidade local se reuniu para plantar diversos tipo de vegetação no canteiro onde os veículos ficavam estacionados.

“A coisa só melhorou por que moradores e pescadores se reuniram para acabar com essa disputa de som. Era uma coisa infernal”, contou o pescador Nelson dos Santos, 78 anos, que trabalha no local. “Se a gente não tivesse tomado essa atitude, ninguém teria paz”, completou.

Flexibilidade

Enquanto há aqueles que preferem a calmaria, por outro lado, as variadas opções de som alto formam um cenário perfeito para quem quer aproveitar o período pré-carnavalesco para colocar o repertório em dia, como o mecânico Alfredo Bonfim, 29 anos.

Ele é dono de um carro com som do tipo “paredão”, no qual gastou cerca de R$ 10 mil, que é capaz de fazer tremer o corpo de quem passa perto do aparelho. “O som é um terço do valor do carro. As meninas não aguentam ver”, vangloriou-se, na oficina onde trabalha, na avenida Gal Costa.

Questionado se não se preocupa em incomodar o sossego alheio, o mecânico argumenta que costuma utilizar o sistema somente nos encontros de paredão, em locais afastados. “Tem gente que não tem consciência, mas eu, particularmente, só uso nos encontros da galera”, sustenta.

70

é o número de denúncias na Semop por causa das ocorrências de poluição sonora somente no bairro de Itapuã, que lidera as queixas em Salvador no início do ano

A estudante Luana Sampaio, 23 anos, que se assume como uma “pagodeira nata”, diz que as pessoas deviam ser um pouco mais flexíveis quanto ao som alto nessa época do ano. “As férias duram apenas um mês. É época de festas na cidade. É preciso ter um pouco mais tolerância”, clama.

Riscos da exposição

A otorrinolaringologista Clarice Saba explica que a exposição prolongada ao som muito alto pode causar zumbidos, lesões que podem levar a algum grau de perda auditiva, além de provocar sintomas como irritabilidade no ouvinte.

“Quando alguém vai para uma festa com som muito alto pode sair com um zumbido, que pode desaparecer no dia seguinte”, informa. “Senão, o mais indicado é procurar ajuda médica, pois, se for caso de perda auditiva, quanto mais rápido o diagnóstico mais chances de tratar e reverter”, acrescenta.

Para evitar esses sintomas, Saba orienta que o correto é controlar a exposição com o uso de um protetor auricular ou, a cada meia hora de exposição em ambiente fechado, fazer um intervalo de cinco a dez minutos para descansar os ouvidos.

“Se afasta um pouco, vai ao banheiro, para que a audição não seja afetada. E nunca ficar ao lado da caixa de som”, alerta. “O mesmo vale para os trios elétricos. Se não tiver um protetor, ao passar do lado do veículo, procure tapar o ouvido com o dedo”, ensina.

A médica ressalta, ainda, no caso do uso de fones, o ouvinte nunca deve ultrapassar mais da metade do volume do aparelho. “O cuidado com a alimentação também é importante, pois, excesso de gorduras e açúcar pode afetar a audição e o labirinto”, finaliza.

Veja Também

Vídeo: ato de rodoviários gera confusão em garagem de amarelinhos

Permissionários dos micro-ônibus amarelinhos e funcionários das cooperativas se desentenderam com integrantes do Sindicato dos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *